Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados.
fechar
Compartilhar

vacina

Pesquisadores da Fiocruz entraram na segunda fase de testes da vacina contra a esquistossomose. A Sm14, como é chamada, é a primeira vacina parasitária produzida com tecnologia brasileira a chegar à fase II de estudos. Essa etapa, que começa neste mês de setembro e deve durar entre dois anos e meio a três anos, é voltada para estudos clínicos e para testar a receptividade de humanos. A expectativa é que a vacina esteja liberada para o consumo até 2020. O estudo tem a Finep como uma das instituições financiadoras.

Nesse segundo momento, os pesquisadores irão ao Senegal, país do oeste da África onde cerca de 90% da população já teve esquistossomose. Lá, eles distribuirão vacinas entre voluntários e cada um receberá três doses com intervalos de um mês entre cada uma delas. O trabalho será realizado com a participação da organização não governamental Espoir Pour La Santé e o Instituto Pasteur de Lille, na França e da empresa brasileira Orygen Biotecnologia S.A.

O projeto começou a ser desenvolvido na década de 1980, quando pesquisadores da Fiocruz conseguiram isolar a proteína Sm14 encontrada no Schistosoma mansoni, parasita causador da doença e verificou-se que um extrato salino do próprio parasita injetado em animais protegia-os da esquistossomose. Como em qualquer outra vacina, a técnica consistiu em utilizar um antígeno - substância que estimula a produção de anticorpos - para fortalecer o sistema imunológico do potencial hospedeiro contra o ataque do parasita. A vacina coloca o nome do Brasil na fronteira da ciência mundial, como a primeira vacina para helmintos (vermes).

A esquistossomose é uma doença atrelada diretamente à falta de saneamento e pobreza, comuns nos países em desenvolvimento. A OMS estima que 200 milhões sejam infectados por ano, principalmente na África e Ásia, e apesar da mortalidade ser baixa, ainda mata milhares de pessoas todos os anos. A esquistossomose compromete a saúde em geral e a capacidade de aprendizado, além de provocar diarreia, dores de cabeça, vômitos e sangramento do sistema digestivo. No Brasil, os focos da doença estão concentrados principalmente nas regiões Nordeste e Centro-Oeste.

Além da Finep, o projeto tem apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), IOC/Fiocruz, Organização Mundial da Saúde (OMS), Orygen Biotecnologia S.A e da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

 

Rio de Janeiro

Sede:
Av. República do Chile, 330, Torre Oeste - Centro
10º, 11º, 12º, 15º, 16º e 17º andares
CEP: 20031-170 - Rio de Janeiro - RJ

Unidade Flamengo:
Praia do Flamengo 200, 3º andar
CEP: 22210-065  - Rio de Janeiro - RJ.

São Paulo

Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 510 - 9º andar - Itaim Bibi
CEP: 04543-000  - São Paulo - SP

Brasília

SHIS QI 1 - Conjunto B - Bloco D - 1º Subsolo.
Ed. Santos Dumont - Lago Sul
CEP: 71605-190 - Brasília - DF

Fortaleza 

Av. Dom Luis, 807-20º e 21º pavimento
Meireles, CEP 60160-230 - Fortaleza - CE