Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. Com apoio da Finep, vacina brasileira contra esquistossomose entra na fase II
fechar
Compartilhar

vacina

Pesquisadores da Fiocruz entraram na segunda fase de testes da vacina contra a esquistossomose. A Sm14, como é chamada, é a primeira vacina parasitária produzida com tecnologia brasileira a chegar à fase II de estudos. Essa etapa, que começa neste mês de setembro e deve durar entre dois anos e meio a três anos, é voltada para estudos clínicos e para testar a receptividade de humanos. A expectativa é que a vacina esteja liberada para o consumo até 2020. O estudo tem a Finep como uma das instituições financiadoras.

Nesse segundo momento, os pesquisadores irão ao Senegal, país do oeste da África onde cerca de 90% da população já teve esquistossomose. Lá, eles distribuirão vacinas entre voluntários e cada um receberá três doses com intervalos de um mês entre cada uma delas. O trabalho será realizado com a participação da organização não governamental Espoir Pour La Santé e o Instituto Pasteur de Lille, na França e da empresa brasileira Orygen Biotecnologia S.A.

O projeto começou a ser desenvolvido na década de 1980, quando pesquisadores da Fiocruz conseguiram isolar a proteína Sm14 encontrada no Schistosoma mansoni, parasita causador da doença e verificou-se que um extrato salino do próprio parasita injetado em animais protegia-os da esquistossomose. Como em qualquer outra vacina, a técnica consistiu em utilizar um antígeno - substância que estimula a produção de anticorpos - para fortalecer o sistema imunológico do potencial hospedeiro contra o ataque do parasita. A vacina coloca o nome do Brasil na fronteira da ciência mundial, como a primeira vacina para helmintos (vermes).

A esquistossomose é uma doença atrelada diretamente à falta de saneamento e pobreza, comuns nos países em desenvolvimento. A OMS estima que 200 milhões sejam infectados por ano, principalmente na África e Ásia, e apesar da mortalidade ser baixa, ainda mata milhares de pessoas todos os anos. A esquistossomose compromete a saúde em geral e a capacidade de aprendizado, além de provocar diarreia, dores de cabeça, vômitos e sangramento do sistema digestivo. No Brasil, os focos da doença estão concentrados principalmente nas regiões Nordeste e Centro-Oeste.

Além da Finep, o projeto tem apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), IOC/Fiocruz, Organização Mundial da Saúde (OMS), Orygen Biotecnologia S.A e da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

 

Rio de Janeiro

Sede:
Av. República do Chile, 330, Torre Oeste - Centro
10º, 11º, 12º, 15º, 16º e 17º andares
CEP: 20031-170 - Rio de Janeiro - RJ

Unidade Flamengo:
Praia do Flamengo 200, 3º andar
CEP: 22210-065  - Rio de Janeiro - RJ.

São Paulo

Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 510 - 9º andar - Itaim Bibi
CEP: 04543-000  - São Paulo - SP

Brasília

SHIS QI 1 - Conjunto B - Bloco D - 1º Subsolo.
Ed. Santos Dumont - Lago Sul
CEP: 71605-190 - Brasília - DF

Fortaleza 

Av. Dom Luis, 807-20º e 21º pavimento
Meireles, CEP 60160-230 - Fortaleza - CE