Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados.
fechar
Compartilhar

 site1 ABC

Um dos caminhos para o fortalecimento da área de ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) no Brasil passa pela transformação do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) em um fundo financeiro e pelo combate à dispersão de seus recursos. A conclusão foi apresentada pelo economista e presidente da Finep, Marcos Cintra, durante a 11ª Reunião Magna da Academia Brasileira de Ciências (ABC), realizada nesta quarta-feira, 10/5, no Museu do Amanhã, Rio de Janeiro.

“Hoje, o FNDCT, principal fonte de financiamento à C,T&I no Brasil, é um fundo contábil (rubrica orçamentária) e está comprometido por cortes lineares, perda de arrecadação e questões institucionais, como o fim do CT-Petro. Precisamos lutar politicamente para transformá-lo num fundo financeiro, como o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o Fundo Social”, ressaltou o presidente da Finep, que participou do painel "Valor da Ciência para o Desenvolvimento". Para ele, essa é a saída para pôr fim à instabilidade orçamentária da área e manter os saldos do Fundo ao término de cada ano.

O economista também destacou a necessidade de combater a dispersão de recursos. “Há propostas de uso dos recursos do FNDCT para financiamentos do FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), por exemplo. Embora este seja um programa importante, a verba do Fundo não pode ser pulverizada e deslocada para outras atividades”, completou.

Durante a sua fala, Cintra, que também é professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), fez ainda um resumo da historia do pensamento econômico para explicar como C,T&I tornaram-se fatores unânimes e determinantes para o desenvolvimento das nações. “Somente a partir da segunda metade do século XX chegou-se ao consenso vigente até hoje: a longo prazo, o progresso econômico é fundamentalmente determinado pela capacidade tecnológica de um país. Ciência, tecnologia e inovação, desde então, assumiram um lugar prioritário no desenvolvimento das nações”, esclareceu.

Apesar de haver unanimidade em relação à importância desses três fatores, ele destacou que é preciso manter a continuidade nos investimentos feitos na área. “Costumo comparar C,T&I a uma maratona. Mas, nesse caso, a linha de chegada está em constante deslocamento. O ponto fundamental é estarmos sempre no pelotão da frente. Descontinuar aporte de recursos no setor é algo devastador”, disse Cintra. Para o presidente da Finep, o erro, no entanto, não está no ajuste fiscal – essencial, em suas palavras –, mas na forma linear como os cortes orçamentários têm sido feitos.

Coordenada por João Fernando Oliveira, vice-presidente da ABC, a sessão científica também contou com a presença de Hugo Aguilaniu, médico geneticista e presidente do recém-criado Instituto Serrapilheira, e José Roberto Boisson de Marca, doutor em engenharia elétrica e professor da PUC-Rio.

 

Rio de Janeiro

Sede:
Av. República do Chile, 330, Torre Oeste - Centro
10º, 11º, 12º, 15º, 16º e 17º andares
CEP: 20031-170 - Rio de Janeiro - RJ

Unidade Flamengo:
Praia do Flamengo 200, 3º andar
CEP: 22210-065  - Rio de Janeiro - RJ.

São Paulo

Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 510 - 9º andar - Itaim Bibi
CEP: 04543-000  - São Paulo - SP

Brasília

SHIS QI 1 - Conjunto B - Bloco D - 1º Subsolo.
Ed. Santos Dumont - Lago Sul
CEP: 71605-190 - Brasília - DF

Fortaleza 

Av. Dom Luis, 807-20º e 21º pavimento
Meireles, CEP 60160-230 - Fortaleza - CE