Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. Finep e MCTI vão investir R$ 8 milhões na estruturação de Centros de Tecnologia e Inovação em materiais avançados
fechar
Compartilhar

mat avancadosa

A Finep – Financiadora de Inovação e Pesquisa e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), acabam de disponibilizar R$ 8 milhões, em recursos não reembolsáveis, para a estruturação de até dois Centros de Tecnologia e Inovação em Materiais Avançados. As inscrições estarão abertas a partir de 26 de novembro, quando o Formulário para Apresentação de Proposta estará disponível no site da Financiadora. Os interessados terão prazo até 1 de março de 2021 para enviarem suas propostas por meio eletrônico. O resultado final está previsto para 1 de julho de 2021.

Serão apoiadas, por esta chamada pública, propostas de Centros capazes de desenvolver pesquisas tecnológicas e de inovação aplicadas, de forma conectada e integrada com outros agentes do sistema de inovação, como ICTs, empresas de diferentes portes e indústria, com especial atenção para o desenvolvimento de startups, seja a partir da geração de Spin-off ou da atração daquelas com capacidade de incorporar os resultados das pesquisas desenvolvidas pelo Centro, em seus produtos ou serviços.

“O que se espera é a proposição de centros dinâmicos, capazes de operar de forma aberta e sustentável, com modelos de absorção e transferência de conhecimento claros e viáveis do ponto de vista tecnológico e financeiro”, afirma o diretor de Inovação da Finep/MCTI, Alberto Dantas.

Com o novo edital, a Finep e o MCTI esperam contribuir para uma política de Estado que eleve o desenvolvimento tecnológico e a inovação no País, visando a comercialização de produtos e serviços de alto valor agregado, de forma a reduzir o déficit tecnológico e atingir a soberania nacional no segmento de Materiais Avançados.

Os Centros poderão apresentar projetos de inovação em Materiais Avançados e Minerais Estratégicos Portadores de Futuro para o desenvolvimento e aplicação em novos processos e produtos de alto valor agregado e de relevância estratégica e comercial.

Também são passíveis de apoio novas funcionalidades em produtos e processos tradicionais, com o objetivo de aumentar o patamar tecnológico da cadeia nacional de fornecedores. Neste caso, o objetivo é priorizar o desenvolvimento de engenharia nacional e absorção de novas tecnologias vinculadas a ligas metálicas, como compósitos poliméricos, metamateriais, nanomateriais, nanocompósitos, materiais de alto desempenho e multifuncionais, materiais para tecnologia quântica, eletrônicos, óptica avançada e tribologia, entre outros materiais nanotecnológicos com potencial disruptivo e competitivo para a indústria avançada.

A linha temática deste edital se desdobra nos seguintes subtemas:

- Materiais avançados, como os derivados do grafite (nanotubos de carbono, grafeno e fulereno) e demais materiais bidimensionais (borofeno, germaneno, estaneno, fosforeno, siliceno, entre outros.

- Minerais Estratégicos Portadores de Futuro (Nióbio, Cobalto, Lítio, Metais do Grupo da Platina, Molibdênio, Silício (Grau Solar), Tálio, Tântalo, demais Terras Raras, Titânio e Vanádio, entre outros), incluindo a fabricação de novos metais e ligas, cargas nanométricas, materiais de alto desempenho e suas aplicações.