Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. Estudos apoiados pela Finep/MCTI comprovam que o vermífugo Anitta é eficaz no combate à Covid-19
fechar
Compartilhar

Anitta evento

Ao finalizar os estudos clínicos com a Nitazoxanida em pacientes na fase precoce da Covid-19, pesquisadores brasileiros concluíram que o medicamento de nome comercial Annita e indicado para viroses e como vermífugo, se mostrou totalmente eficaz no combate à doença. Além de ter apresentado significativa redução da carga viral, o que significa menor probabilidade de transmissão, os pacientes que receberam a medicação não evoluíram para a forma mais grave nem tampouco tiveram necessidade de internação.

Esses foram os resultados das pesquisas, que receberam R$ 6 milhões em recursos não reembolsáveis (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT) da Finep – Financiadora de Inovação e Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), apresentados pelo Governo Federal nesta segunda-feira (19), em cerimônia no Palácio do Planalto. O evento contou com a presença do Presidente da República, Jair Bolsonaro, do ministro Astronauta, Marcos Pontes, do presidente da Finep, General Waldemar Barroso, e dos diretores das áreas de Inovação da Finep, Alberto Dantas, de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Marcelo Bortolini, e do diretor Financeiro, de Crédito e Captação, Adriano Lattarulo, além de pesquisadores e convidados.

“Com isso, vamos evitar que as pessoas progridam no agravamento da doença, melhorando assim a superlotação de hospitais”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

Segundo a coordenadora do Estudo, professora do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Patrícia Rocco, a terceira e última fase da pesquisa, contou com a participação de 1.575 voluntários que apresentaram sintomas, como febre, tosse seca e fadiga. Eles foram testados por sete diferentes centros de saúde do País. Dos que testaram positivo, parte recebeu a Nitazoxanida (500 mg três vezes ao dia) e a outra metade, placebo. Os pacientes receberam acompanhamento por 7 dias.

No dia 8 de agosto, ao comunicar a recuperação da Covid 19, o ministro Astronauta Marcos Pontes confirmou que, de fato, integrou a equipe voluntariada dos testes com o vermífugo. “Para quem estiver curioso se tomei ou não a nitazoxanida, a resposta é sim. Participei como voluntário do estudo clínico”, disse o ministro na ocasião.

Segundo a pesquisadora, além de ter se mostrado eficaz no combate ao Sars Cov-2, a Nitazoxanida conta com inúmeras vantagens, como baixo custo e ampla distribuição no território nacional, podendo ser utilizada por via oral. Os resultados finais do estudo foram encaminhados para publicação em uma revista internacional.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações iniciou as pesquisas com a Nitazoxanida com base em um estudo do Laboratório Nacional de Biociências do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Organização social vinculada ao MCTI, o CNPEM fez uso da inteligência artificial e biologia computacional nos estudos para o reposicionamento do fármaco – referenciado, comercialmente, como o vermífugo Annita.

Anita 1

Os estudos com a Nitazoxanida começaram em fevereiro com a análise de duas mil drogas, que foram testadas com simulações em computador. Dessas, cinco demonstraram capacidade de inibir os efeitos do vírus causador da Covid 19. Em outra fase da pesquisa, feita em laboratório (in vitro), também pelo Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), do CNPEM, a droga apresentou redução de 94% da carga viral em culturas de células infectadas pelo vírus. Com base nesse resultado, foi aprovada a realização do estudo clínico.

Vejam mais detalhes na cerimônia de lançamento no Palácio do Planalto